Quem sou eu

uberaba, mg, Brazil
OLA!!MEU NOME E MARILIA MAIA,,GOSTO DE TUDO QUE E RELACIONADO A ARTES,PAISAGISMO,DECORAÇAO E MUITO MAIS,SEJAM BEM VINDOS A MINHA PAGINA.DEIXEM SEUS COMENTARIOS,RECADOS,OK,BEIJINHOS A TODOS. ESTOU NO INSTAGRAM TB ME SEGUEM NO INSTAGRAM TB LINK; http://instagram.com/mayamarilia

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget

Total de visualizações de página

Convidar seus amigos

BLOG DE MARILIA MAIA

24 de mai de 2011

PORTOK STOK




Neutro Oriental
Urbano Barrock
Urbano Contemporâneo
Urbano Caleidocolor
Urbano Hype
Urbano Puro
Urbano Vintage
Regional Romantique
Regional Arts & Crafts
Regional Brasileiro
Regional Étnico
Regional Puro
Desde os anos 90, presenciamos uma forte corrente minimalista no design. A célebre frase “Less is More” virou hino uníssono entre designers, estilistas e todos diretamente ligados à estética. A busca da forma mais pura, livre de excessos, permeou todos os campos de conhecimento e comportamento do homem. O estilo italiano e escandinavo tornou-se referência no mobiliário e as proporções tornaram-se mais baixas e longas; os puxadores somem para aparecer mais a superfície e o primoroso acabamento. Este estilo perde o vínculo como modernismo e passa a ser chamado de contemporâneo (o seu significado literal é “do mesmo tempo”), afinal, ainda o estamos vivendo.

O mundo, porém, se cansou de tamanho rigor, por isso o design contemporâneo começou a flertar com outros elementos. Houve então uma cisão na unanimidade pura das formas e duas vertentes foram criadas. A primeira tornou-se mais conservadora e continuou a sua busca purista. A segunda permitiu-se explorar o excesso em primeiro plano, atendo-se ao contraste de técnicas e à simbologia do luxo, abrindo suas portas ao decorativismo.

Hoje o mundo contemporâneo se volta a uma realidade: estamos nos distanciando cada vez mais da nossa natureza, ou seja, a própria natureza. E diferente dos ativistas ecológicos, inúmeros designers começaram a refletir e a criar peças que nos trazem este questionamento. Surgem inúmeros produtos que vão utilizar uma ‘natureza’ ora idealizada, ora simplificada, mas sempre para trazer um alento à sintetização de nossa sociedade. Surgem e tomam a cena trabalhos como o do escritório Francês de design gráfico Atelier LZC e suas inúmeras ilustrações com inspiração na natureza, e principalmente, quem se tornou um dos grandes influenciadores deste novo estilo contemporâneo, o designer holandês Tord Boontje com seu trabalho essencialmente orgânico, mas com produção industrial e um resultado de fantasias naturais. Tord criou uma estética que hoje influencia vários outros designers. Seu trabalho mostra sobreposições de materiais recortados, perfurados, estampados em formatos de flores, insetos e animais.

Este estilo denominou-se novo naturalismo. Trata-se de “novo” porque o naturalismo é na verdade uma teoria metafísica que defende que todos os fenômenos podem ser explicados mecanicamente em termos de causas e leis naturais. Esta teoria opõe-se ao sobrenaturalismo e vê o universo como uma máquina ou organismo. Na literatura, o estilo Naturalismo é uma espécie de prolongamento do Realismo, assim, ele assume quase todos os princípios do Realismo, tais como o predomínio da objetividade, da observação, da busca pela verossimilhança, mas acrescenta o seu traço particular - uma visão cientificista da existência. 
No âmbito do design, o Naturalismo será mostrado de várias formas e surgem como um boom objetos zoomorfos, decorações com motivos florais e texturas animais. Há até um flerte com o Art Noveau , movimento que também valorizava o orgânico e a natureza, mas revisitado para uma estética urbana. Diante destas inspirações, surgem estampas como se fossem jogos de silhueta de representações de animais, flores e folhas.

Além do vegetal e do animal, o mineral tem grande força nesta nova tendência e empresta suas cores e brilhos para os novos matizes que colorem os objetos e a casa. Surgem tons sóbrios como o concreto e o cobre como base e abrem espaço para tons minerais como oCytrino , o Ametista Violáceo e o Azul Petróleo . Estas últimas cores aparecem ora misturadas entre si, ora compondo com o concreto, o cobre ou o branco. Como o tema gira em torno da natureza, mas de uma forma extremamente atual, representações de madeiras com muitos veios se tornam importantes. Desta forma, o acabamento em BP tabaco virá com veios mais desenhados, o Carvalho ganhará mais força e aparecerá uma nova lâmina com tons amendoados que denominamos de Avelã.

Para os revestimentos, teremos a novidade dos tecidos Knit, com trama especial resistente às unhas dos bichos de estimação, afinal queremos a natureza perto. E os tecidosMetallic em cobre e prata que darão brilhos sofisticados a poltronas e cadeiras. Tampos de pedra e resinas com textura de concreto também serão propostas para produtos pequenos e complementares em clima de “cool concrete”.

Todo esse imaginário e representações aplicados em ambientes de proporções urbanas com brilhos e texturas contrastantes, e a riqueza de referências naturais, formam um estilo de muita personalidade e atualizam o conceito do viver contemporâneo. O ser humano cria uma hipernatura sintética, ao mesmo tempo em que traz e reproduz a natureza propriamente dita em suas casas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

OLA!DEIXEM SEUS COMENTARIOS,OBRIGA MARILIA